Translate this Page
Enquete
Qual assunto você prefere ?
Mesas de Som
Microfones
Equalizadores
Frequências
Caixas Acusticas
Ver Resultados

ONLINE
4



 

 


O Técnico de Som

 

O Técnico de Som e a Sua Postura


Semelhanças entre um árbitro de futebol e um técnico de som

Ao refletirmos um pouco sobre as semelhanças entre duas figuras tão distintas, parece que não há nada que as una e muito que as separe. Contudo quer o juiz de um jogo, quer o operador de som têm a mesma função que é levar o seu jogo ou programa a um final feliz. Esse final feliz passa por todos ficarem satisfeitos com o seu trabalho ou desempenho. Se pensarmos bem, o árbitro de uma partida só faz um bom trabalho quando ninguém repara nele; para um técnico de som o desafio é precisamente o mesmo.

Ninguém repara no técnico de som para lhe dar louvores; nunca ouvimos ninguém em cima do palco dizer “queremos agradecer ao cantor X que tem uma ótima voz e também ao técnico de som Y por ter feito um excelente trabalho”.

O técnico trabalha sempre na sombra, mas o seu trabalho é tão ou mais importante do que quem fala, porque sem som audível a mensagem não passa. Infelizmente todos reparam no operador som apenas quando ele faz um mau trabalho, quando os microfones não funcionam ou quando os feedbacks são o prato do dia.

Por tudo isto o técnico de som à semelhança de um árbitro tem que ter acima de tudo uma enorme auto confiança, porque não pode esperar elogios ou gratidão pelo seu trabalho e tem que estar sempre pronto para ouvir uma crítica feroz ao seu desempenho. Mas é por este desafio que ser técnico é uma tarefa ainda mais aliciante.

Os Técnicos de Som e os Curiosos do Som

Estar atrás de uma mesa de mistura com uma sala cheia de pessoas para ouvir um cantor ou pregador famoso é o mesmo que estar a bordo de um Airbus A-300 prestes a levantar vôo. Todos estão ansiosos por ouvir a mensagem ou a música e não querem que nenhum piloto amador lhes estrague a viagem. É aqui que o técnico de som tem um enorme jogo psicológico pela frente; nada pode falhar sobretudo ele, mas os problemas técnicos muitas vezes acontecem e a culpa nem é dele.

É neste instante que imediatamente se nota a diferença entre um técnico de som e um curioso do som. Um técnico de som apesar de a meio do programa um cabo soltar-se ou a luz falhar ou mesmo uma coluna estourar ele mantém sempre a calma, porque se não for ele a resolver o problema mais ninguém será. Um curioso do som por sua vez perde a calma, entra em pânico e como sinal de desespero põe sempre a culpa nos outros. Em som, ninguém tem culpa de nada, apenas há pessoas que agem com diligência [técnicos de som] e outros agem com negligência [curiosos do som].

O técnico de som é um homem de soluções e não de problemas

Quantas vezes já encontramos técnicos de som nas nossas Igrejas que são mais complicados que um político da oposição num debate parlamentar. Tudo é um enorme problema, o caos é enorme, todos têm a culpa menos ele e a única solução à vista é fazer tudo da forma que ele quer.

Pois bem, este é o típico exemplo de um mau técnico de som. Um operador tem que ser uma pessoa de soluções e não de problemas; a sua função é servir e não ser servido. Se ele fosse a principal atração do programa, então as cadeiras da platéia deveriam sofrer um desvio de 180º e ficar viradas para o técnico cujo lugar é atrás de todos bem escondido.

Um bom operador de som deve sempre encontrar soluções onde mais ninguém as acha, deve facilitar e providenciar boas condições aos organizadores do programa, para que estes possam ficar livres para se preocuparem com os problemas que realmente são da sua responsabilidade e não com os problemas que o técnico levanta.

A relação com o cantor e o conhecimento do programa como parte fundamental para o sucesso do programa

Um técnico de som que vai para um programa sem saber o que se vai passar, é o mesmo que um cirurgião ir para um bloco operatório sem saber a que parte do corpo do paciente vai operar.

É fundamental que o técnico conheça todas as partes do programa ao pormenor, para saber qual o melhor momento para colocar um som ambiente ou ligar um microfone antes do orador falar, etc.

Também a sua relação com o cantor, orador ou instrumentista deve ser o melhor possível; sobretudo nos ensaios o técnico deve perguntar ao cantor se gosta da equalização que ele conferiu à sua voz, se o som de munição está ajustado às necessidades do intérprete e tudo mais que em virtude das circunstâncias se julgar necessário.

Um técnico de som nunca poderá fazer um bom trabalho se a única conversa que teve com o cantor foi o momento em que este lhe disse qual a faixa do CD que ele iria cantar. O entrosamento entre os dois mais que importante é fundamental para o sucesso do programa.

Ezequiel Duarte