Técnico de Som

Loading...

TEXTES
TEXTES

   

Na Revista "Áudio Música e Tecnologia" de Agosto/2004 achei muito interessante uma pergunta feita a Sólon do Valle, sobre microfones, que ilustra bem os passos para se comprar um microfone. Definido o tipo de microfone (lapela, sorvetão, de coral, gooseneck, etc), escolher entre tantos modelos e tipos é algo complicado. Este artigo visa facilitar o processo de escolha.

Nota: os microfones citados na revista são de estúdio, muito caros. O importante não é o tipo do microfone, mas o conceito por trás da idéia que o engenheiro e professor quis passar.

"Olá,
onde está a diferença (na prática) entre um microfone que tem resposta de frequência de 10Hz a 18kHz (como o CAD E-1000) e outro que tem resposta de frequência de 20Hz a 20kHz (como o C1 da Studio Projects)? Alan

Caro Alan,
Na prática, só a resposta não define muita coisa - e você já deve ter desconfiado disso. Na música e no áudio em geral não existe nada usável abaixo de 20Hz (infrasom) e muito pouco entre 18kHz e 20kHz. Mas devemos lembrar que, provavelmente, um microfone que responde a partir de 10Hz responde com maior facilidade, maior solidez, abaixo de 50Hz do que outro que responde "só" a partir de 20Hz. O mesmo vale para o limite superior: o microfone que responde até 20KHz provavelmente é mais transparente acima de 16KHz do que outro que "só" responde até 18KHz. E isso também vale para outros componentes da cadeia do áudio, como mesas, amplificadores e alto-falantes.

Analisando os gráficos de curva de resposta dos microfones que você citou, note que há diferença: a 50Hz, o C1 responde 2dB a menos, portanto o E-100 é mais "gordo" (tem mais "peso", mais graves). Além disso, o C1 é muito mais "brilhante" (mais agudos) , realçando cerca de 5dB em 12,5KHz. Ou seja, para instrumentos e vozes graves, a escolha seria pelo E-100 (mais "gordo"), enquanto para instrumentos e vozes agudas o favorito certamente seria o C1.

As variações da resposta entre 40 e 16KHz são as que definem de fato o timbre de um microfone. Microfones são instrumento musicais, e não frios conversores de eneriga. Têm colorações, modificam o som de maneira muitas vezes agradável. Em muitos casos, um microfone com resposta "pior" é o que soa melhor.

Não use só a resposta especificada como parâmetro de escolha. Experimente, pergunte a outras pessoas. Não se prenda a números apenas". Sólon do Valle.

Observe só:

- o Sóllon provavelmente não tinha os microfones em mãos.

- ele pesquisou e verificou as características técnicas dos aparelhos, seus manuais. Um bom microfone sempre apresenta nos seus manuais as características técnicas.

 

- ele analisou os aparelhos não só pela resposta de frequência, como também esta em relação à curva de resposta.

 

 

Pela curva de resposta, podemos "prever" o comportamento do microfone. Repare nos 2 gráficos de resposta de frequência dos exemplos acima. É claramente perceptível que a resposta de um dos microfones é plana entre 100Hz e 2kHz, enquanto no outro a resposta só é plana entre 300Hz e 2kHz. Podemos esperar que o microfone com resposta mais plana na região das baixas frequências tenha graves melhores que o outro (o que já pudemos constatar na prática).

Aqui, fica o primeiro alerta. Ao escolher microfones, sempre confira antes os seus manuais, suas especificações técnicas. Analise a resposta de frequência, sempre em conjunto com a curva de resposta. Verifique o tipo de tecnologia da cápsula: condensadora ou dinâmica. Condensadoras costumam captar mais detalhes e ter melhores agudos, mas em compensação são mais frágeis. Dinâmicos são mais resistentes e não precisam de Phantom Power.

Verifique a sensibilidade. Entre dois microfones semelhantes, sempre escolha o que tiver a sensibilidade mais alta. Também não deixe de olhar o máximo volume de pressão sonora (SPL) que o microfone aguenta. Bons microfones aguentam altos níveis de volume, enquanto outros "racham", distorcem quando submetidos a uma pessoa de voz poderosa ou instrumento musical mais forte (metais, por exemplo). Quanto maior o dB SPL suportado, melhor.

Fuja dos microfones que não apresentam essas características nos seus manuais, ou que nem apresentem manuais. Se o fabricante não teve o cuidado sequer de escrever o comportamento esperado pelo microfone, imagine o "cuidado" que ele deve ter tido na construção do mesmo.

Números e especificações ajudam, mas não bastam para decidir um investimento. Para isso é necessário testar, testar e testar. Comparar, ouvir, saber o que se está procurando e o que se espera. Usar para isso um dos mais fantásticos "equipamentos" que Deus nos proporcionou: os nossos ouvidos.

Cuidado com marcas! Mesmo alguns fabricantes de primeira linha (Shure, AKG, Audio-Technica, etc) tem microfones que às vezes nos surpreendem... negativamente. Parei em uma loja para examinar um microfone AKG D40S, de R$ 50,00, resposta de frequência de 80Hz a 20kHz. Pedi para testar, e quando o vendedor o tirou da caixa, tive uma surpresa total: o AKG D40 é de plástico, com cabo fixo, parecendo microfone de karaokê*. Qualidade sonora de "taquara rachada". Eca!!! Já um outro microfone de marca desconhecida, Groovin GM-580, chinês de baixo custo, apresentou um som muito mais encorpado, bons graves e agudos, em relação ao D40S. E o preço do Groovin era até menor, cerca de R$ 45,00. Como disse o engenheiro, não dá para viver só de números.

* nota: pesquisando no site, descobri que o D40S é realmente voltado para uso doméstico, karaokê mesmo. Se pareceu "taquara rachada" em uma caixa de PA, em um alto-falante de televisão vai funcionar perfeitamente bem.

Vai comprar um microfone para as vozes do coral da igreja? Então leve cantores junto com você. Uma voz feminina e uma voz masculina. Coloque-os para testar o microfone, sempre repetindo o mesmo trecho de música. Mantenha o mesmo equipamento: a mesma mesa, o mesmo cabo, a mesma caixa de som. Mantenha toda a equalização em flat! Vá trocando apenas os microfones.

Enquanto uma pessoa canta, outra avaliará qual é o melhor resultado sonoro. Não dá para uma pessoa cantar e avaliar (muita gente erra nisso, faz seus próprios "testes" de microfone). É absolutamente normal descobrir que o microfone X funciona melhor para vozes masculinas, enquanto o microfone Y funciona melhor para vozes femininas.

Da mesma forma, se for um microfone para um instrumento musical, leve o músico e o seu instrumento para a loja. Não se importe em "pagar mico". Importe-se em fazer a melhor escolha possível.Faça isso com muito tempo, sem pressa. Teste todos os microfones que couberem no seu orçamento. Os resultados serão surpreendentes, e com certeza você terá condições de fazer a melhor escolha.